Yo no creo

Yo no creo

En diosas ni en el diablo

Yo no creo que te vayas

Yo no creo

En cielo azul o lluvia buena

Cierro los ojos ante esperanzas

Yo no creo en buenas intenciones

Yo te invito al peor camino

Al camino del dolor y traiciones

Yo no creo

Que el mundo nos quiera

Yo no creo

En la muerte

Yo no creo

Que me esperaste la vida entera

Y hoy soy yo

La persona que no habla

Y no cree

Yo no creo

En cartas de amor

En los días de sol y frío

Yo no creo

Yo no creo que ya está, es invierno

Y tus besos pasen lejos de mi boca

Y el mar se quede revuelto

Yo no creo, venga

En las borboletas como señal

Cuando me cuentas tus sueños

Y que no tienes dudas del futuro

Vea, yo no creo

es mi piel, son mi cicatrices

nadie lo olvide

tengo todo diseñado en mis ojos

mi sangre lo diga a todos: yo no creo

Es tan sencillo cómo los bebés

no hay nada más que llanto y hambre

y, por veces, las pesadillas

Yo no creo

que se crea

entre fe y desesperos

soy quien pasa

y nunca se queda

a oír las sirenas.

But why?

Slow down a while

Take a breath

Take a breath

(this is important)

Take a deep breath

Because life metters

And don’t think about all the times you woked up in the middle of the night

Feeling sorry – feeling worried

feeling something else you can’t name

Let almost everything behind

behind a wall of self-protection

fill it with an amount of love

and all the happiness that left

Try not to feel the pain that is killing you

life, you already know, is pain

Don’t think of it. Choose life, once a while.

Take that breath.

You can smell the evil around.

It could consume your lungs

it kills and destroy everything you care.

You’re not about to let things crash down.

But, you know, take a breath

It’s just like an eternal building

of who we are

in moments of dispair

We could be and have everything

but why?

I don’t know anymore.

Fill the space that you have in the world

with some kindness and thoughts of good hope.

Because now you just need some days full of deep breaths.

Rastilho

Queima-me a alma

estopa embebida em paixão

Sangrento devaneio das tardes

Teu corpo quis

Pereci no desejo

Daqueles anos, uma canção

Meias palavras e adeus

Queima-me o presente

querosene pelo chão

dias enfadonhos vêm e vão

Foste traição

Em meio à tarde

Ardo vontades

Não mata nem fortalece

Se faz rastilho

aos olhares, cobiças

E saudades e carros

e noites intermináveis.

É Carnaval!

Vista sua fantasia
Saia na avenida
Goze a alforria
Destes dias
É Carnaval!
Vem, escolhe a máscara
Seja hoje
Quem você quiser
Nos outros 360
A gente não vive
Apenas tenta
Chegar de novo
Com fôlego
A gritar
É Carnaval!
Junta em bloco
Sua a camiseta
Beba que não há amanhã
É Carnaval!
É o feriadão
Que a gente ama
Seja de rei ou de índio
É Carnaval!
Vista todas as fantasias
Arraste foliões
Em orgasmos de alegria
É, Carnaval…
Em teus braços

Todos podem ser deuses

Perdoei

Aprendi a inundar a alma

cada onda passa

sussurrando os nomes

dos inimigos

Atiraram – me pedras

Rogaram – me pragas

Derrubaram – me

Zombaram das minhas conquistas

Mergulhei

afoguei as desonras alheias

                em perdão. 

O mar se esbalda 

nos pecados dos desamados;

Desejam o mal

Respiram o mal

Alimentam – se de ver

Vidas se perderam

Lava, molha, afoga 

            perdoa. 
Perdoa aos que te doeram. 

Perdoa aos que sucumbiram. 

Perdoa como eu perdoei. 

Nossa Esperança

De esperança se enche

nos últimos dias

enquanto houver

Esperança, sempre haverá

ao levantar os olhos ao altar

banha meus dias

enaltece meu coração

em cada queda

Não morre, não me abandona

mantém-me de pé

mesmo a chorar

e a querer voltar

Tempo não volta

tempo se vai

em fios de esperança

De tão bonita Senhora

nossa, a amparar-me

cheguei até aqui

viverei, ainda

só a esperança

sob meus pés.

20h20

Enfim a espera se desfez

às oito e vinte daquele sábado

diante das águas paradas do rio

e outubro será sempre o mês


Em teu abraço estou

e paro o carro a mirar-nos

naquele banco

sob o céu nublado


Amar-te era certo


De outubro a outubro

percorro o tempo

e estradas e Estações

em busca do teu sorriso


Nos chegam boas novas nos costões

tardes preguiçosas no sofá

e emoções em bairros afastados


Entre idas e vindas

abraços e despedidas

amar-te me pertence


De companhia e companheiro

narramos nossos encontros

em verso prosa e risos

por todos os próximos outubros

Sonha-te quem és

O que sonhas, meu bem

quando te afago a nuca?

O que te sonha o verde

dos sombreiros sobre nossas cabeças?

O que sonhas

ao te roçar o pêlo?

O que te sonha o futuro

a te trazer o que não tens, ainda?

Abandona-te, suplico

aos sonhos

aprisiona-me nesta vida

te juro, não posso

salva-me ao sorrirmos

sonhando sonhos impossíveis

Queira-me a vida a simplicidade

Queria-me a vida a rotina

expulso-te se me querem rendida

O que sonhas, meu bem?

A amarrarmos os barcos

em novos desafios

a protestarmos diante

de outros desaforos

a enchermos o tanque

e rodarmos estradas inclementes

O que te sonha, repara

a cada alvorecer

em todas as tardes longas

em especial num dia de sol

Sonha-te quem és

perturba-te o desejo mais sincero

acalma-te as certezas mais puras

Sonha-te quem és

de pés descalços e nu

contemplando a vilania

das máscaras que te caem

e do sonho mais voraz

que te abraça agora.

Amantes

Olhar noturno

sobre o lençol amassado

a névoa do desamparo

nem um bilhete


perderam-se as horas

no escuro


Um soluço

na almofada calado

o coração de retalho

nem a porta bateu


perderam-se os amantes

no desamor

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: