As redes

Na rede dos peixes
sem esperança
mãos calejadas
e meus olhos
lacrimejam

o sol
nos corta
em dois

O mar abençoa
o rio a desembocar
no barro das chuvas
ingrato ao meu desejo
de sempre tê-lo

o sol
nos queima
os ombros

Na rede da varanda
os olhos fecham
na serenidade
e quem sabe
as horas passam

o sol
nos atordoa
os sentidos

A brisa
não nos visita
há dois dias
três noites
e suamos bicas

o sol
nos encaminha
à lagoa

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: