Quando duas pessoas se encontram

É o que acontece quando duas pessoas se encontram. Acreditam que serão felizes para sempre – nenhuma será, algumas descobrirão isso logo, outras fingirão pelo resto da vida. Por vezes, ninguém consegue ser feliz. Quando duas pessoas se encontram se faz a fé. A fé, claro está, ninguém abandona porque quer. A culpa sempre será da instituição, ou da ausência de milagres quando esperamos por eles, ou, ainda, quando a devoção cai em desuso.

Entre essas duas pode haver tantas outras – antes, durante ou depois – que mantêm esta combinação sem fim entre as pessoas. São tantas no mundo, uma encontrar outra não é nada difícil. Acontece todos os dias, todas as horas. Não tem um algoritmo exato, cada um crê no que prefere. Nas promessas, quem sabe. No cansaço da procura, também. Nos defeitos que poderão ser superados (nunca serão). Uns apostam nas diferenças, outros nas semelhanças – há os que já apostaram num, depois no outro, sucessivamente. Quando duas pessoas se encontram sabe-se bem o que vai acontecer.

É a necessidade de construir uma vida juntos, jamais de viver cada manhã. O hoje, invariavelmente, é um degrau, mero tijolo, para sustentar anos e anos de presença lado a lado a comprovar e dizer na cara de todos: deu certo. Está dando certo. É definitivo. Nascemos um para o outro. Porque precisam de afirmações, o ser humano (só as crianças sabem) têm a empáfia de adquirir certezas e espalhá-las aos ventos. Não é ir dormir com a dúvida “será que sentirei a mesma coisa amanhã?” (ou mais, ou menos). Porque as pessoas não querem dúvidas, muito menos questionamentos. As pessoas não se perguntam, todos os dias, o que sentem pelo outro. Elas apenas reafirmam o que diziam nos dias anteriores – desde o primeiro dia.

Quando duas pessoas se encontram elas querem contar a todos. Espalhar que ali nasceu uma relação duradoura e fazer a todos nós testemunhas das suas certezas e dos seus bons sentimentos. Quando duas pessoas se encontram deveria ser só para elas – se olharem e saberem que foi naquele momento. Deveria ser cada dia e não para sempre. A projeção é sempre venenosa, castiga os dias, corrói a fé, mina a verdade. E a verdade é o amor. Não há amor que sobreviva a qualquer exigência. Quando duas pessoas se encontram elas deveriam se amar.

O amor, porém, não exige publicidade, nem demanda prazos, muito menos busca exatidão ou certeza, não é feito de amarras. O amor entre duas pessoas pode existir do nada (nem sempre o encontramos em teorias de diferenças ou semelhanças ou admiração ou sensação de segurança ou ou ou ou ou…) e esvair-se diante dos mais sólidos relacionamentos. É do amor ser assim… Todo o resto, as datas, as festas, as certezas, os jogos, as artimanhas, as respostas, tudo – absolutamente tudo – é coisa das pessoas. E as pessoas, vocês sabem, são habilidosas em criar mil sentidos e razões onde nada disso é necessário.

Quando duas pessoas se encontram, deixem-nas a sós. O amor não precisa de fiscais. Não há regulamento a ser seguido, ouçam o que eu digo. Deixem-nas, por favor. Retirem-se com seus planos, com suas esperanças e indiscrições veladas. Nunca se sabe quanto durará este amor, deixem que elas vivam-no com suas dúvidas e seus próprios erros. Quando duas pessoas se encontram, enfim, o mundo é só elas. Eis a única lei do amor.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: