A liquidez do hype

A sensação boa que eu tive ao assistir à And Just Like That. Poderia ser só um revival para as saudosas dos anos 1990 de uma televisão que foi sacudida por Sex and The City. Friends ficava no chinelo e sabemos disso. Talvez sejamos saudosas até da televisão diante de inúmeros streamings que querem nos oferecer o mundo e que não nos entregam nada – Adorno sorri com satisfação de onde quer que ele esteja. Mas, hoje não escreverei uma crítica à And Just Like That.

No primeiro capítulo somos informadas que Carrie agora não tem mais sua coluna (texto escrito) e participa de um podcast. A forma irônica como isso é colocado no texto (sim, é uma série, que tem sua origem no texto – e o meu texto de hoje é sobre isso) dá o tom da nova série. Nos anos 2020 é preciso se “adaptar” à fluidez do público, que já não lê mais, que consome o que é hype – aqui também estou sendo irônica, pois é só substituir por moda ou tendência.

O próprio podcast não é nenhuma novidade, pois o rádio e seus programas existem há mais de século. Mas, a contemporaneidade gosta disso, de reciclar algo velho, rebatizá-lo com um nome que vira tendência e voilà, logo estará bombando. Diriam alguns entendidos que são exemplos dos tempos líquidos que vivemos, essa liquidez que não nos prende à nada nem a ninguém e que nos faz robotizados diante de telas que replicam o que devemos assistir, do que devemos gostar, onde devemos ir, o que devemos praticar. É como aquele cara que cita Bauman e seu tempo líquido no perfil do Tinder, negando que queira relacionamentos líquidos… no Tinder, amigo? Ok, talvez devamos discutir coerência antes dos tais tempos líquidos.

Vejam como funciona, eu nunca li Bauman e acabo de escrever um parágrafo inteiro citando-o: eis o poder do hype e do vazio dos tempos atuais. Qualquer um pode falar sobre qualquer coisa e passar isso adiante. Não é difícil compreender o tanto de estupidez que essa “produção de conteúdo” gera. É muita publicação pra pouco conteúdo, é muita replicação de opinião sem base nem conhecimento, é muita gente – mas muita mesmo – querendo fama e sucesso sem ter o que oferecer. 

Quando vi Carrie se “adaptando” e trocando as letras escritas no papel/tela pelo podcast uma onda de reflexão me tomou neste janeiro ensolarado e ainda pandêmico. Tenho este site, originariamente um blog, há muitos anos e sempre publiquei textos escritos. São raros os posts que têm imagens, apesarde eu ser também fotógrafa. Pensei há quanto tempo temos desprezado o texto escrito, lembrando de anos atrás quando entrava num link de uma notícia e não era mais escrita, era um áudio ou um vídeo. Estamos emburrecendo? Óbvio. Ler dá trabalho e a multidão de analfabetos funcionais e digitais é gigante. Mas não é só sobre isso.

A maior tendência é de “adaptar-se” ao simplificar as coisas. Por isso eu não busco algo que dá trabalho e fico inerte diante de uma live qualquer. Tudo muito líquido, superficial e passageiro. Carrie, com seu talento e sua carreira, teve que adaptar-se a falar de bobagens num podcast, que os ouvintes mal prestarão atenção por alguns minutos enquanto fazem sua corrida do dia ou lavam a louça e esquecerão em ainda menos tempo. Porém, é a isso que hoje em dia chamam de “produção de conteúdo”. 

Eu sempre fui rígida com relação à escrita, comigo mesma e enquanto professora. Tudo passa pelo domínio do seu próprio idioma. Se você não domina o seu idioma, você é um fracasso. Além disso, além do desprezo atual que virou hype pelo texto escrito, eu me peguei pensando que o texto escrito é a origem de quase todo conteúdo que produzimos. Esses produtores de conteúdo de internet que não redigem um bom texto antes de dar o rec ou play nas suas publicações já são nada. Um podcast sem texto prévio? Uma live sem roteiro (texto)? Um post de Instagram sem texto/roteiro? Pior ainda é quando o texto é só réplica de outros conteúdos já produzidos – aqueles que somente repetem conteúdo lido de um livro ou de sites, por exemplo! Ou, pior ainda, que repetem o que outros já disseram em outros meios. Isso é até crime, né.

A “produção de conteúdo” que não tem origem no texto é irrelevante. Conseguimos imaginar uma série ou um filme, por exemplo, que não tenham origem no texto escrito? Mesmo filmes como Don’t look up, que é pior que ruim e virou a moda de dezembro passado, com inúmeras publicações em todas as redes – até aqueles que não publicam nada sobre cinema, publicaram sobre este filme – teve origem num texto escrito. 

Neste Verão além de acompanhar a nova série da Carrie, peguei um Hemingway para ler, o famoso Por quem os sinos dobram? (numa tradução de 1942, feita pelo Monteiro Lobato). Hemingway dispensa apresentações como todo clássico e digo que demorei para começar minha relação com ele – sofro do famoso temor respeitoso aos clássicos. E desde a primeira leitura entendi porque ele produziu clássicos e, enquanto pessoa, também é admirável. Foi um homem que viveu de verdade, coisa rara hoje em dia, com a coragem que a vida exige para ser encarada de frente. Li em outro Verão o As Ilhas da Corrente e me apaixonei. Num momento me dei conta que estava, deitada na rede, há dez páginas lendo a cena de uma pescaria. Ele sabe como escrever muito bem e as cenas relacionadas com elementos da natureza são mesmerizantes. Além dos livros há as adaptações para o cinema que são produções incríveis.

Por quem os sinos dobram? tem cerca de quatrocentas páginas. Num mundo no qual Carries são rebaixadas a fazer podcasts descartáveis, quem lê quatrocentas páginas de um homem que escreveu em outro século sobre a guerra na Espanha? Como desprender-se dos hypes e escolher fazer o que se quer? Não, não é arrogância e intelectualidade ou erudição. O problema é outro. O mais relevante e saudável de And Just Like That é a crítica ácida ao seu tempo, em apontar essas incoerências e em como o tempo passa e nós envelhecemos, é certo, mas não precisamos tornarmo-nos ridículas por isso.

Voltava caminhando da praia esses dias e brincava de imaginar o que seria de Hemingway se ele vivesse nos anos 2020. Jamais faria sucesso, coitado. Sendo homem, já de partida sua vida seria complicada, visto que não queremos mais saber de homens dominando o cenário (mentira, eles ainda dominam e têm todo o poder e apoio de homens e mulheres para isso, mesmo quando sabemos que são escrotos e uns merdas – mas é coisa bem de 2020s e da liquidez sermos hipócritas e superficiais nos discursos e práticas). Ninguém nem publicaria seus romances de quatrocentas páginas com alusões ao comunismo e condenações ao fascismo. Porque, é claro, não teria público para lê-los e ele sofreria pressões para não tocar “nessas questões políticas”. Seria mais rentável um romance de até cento e oitenta páginas sobre pessoas com problemas nos seus relacionamentos porque não suportam a pressão de viver numa sociedade… líquida. Pobre coitado do Hemingway se tivesse, como Carrie, que se “adaptar”.

Só segue os hypes quem não tem personalidade e vive o medo da não aceitação dessa sociedade que vive de cliques, seguidores e likes. Não vivem por si, vivem pelos outros e o tempo todo somos cercados pela “adaptação”. Adapte-se ou morra (virtualmente).

Morte digna, eu diria. Hemingway nem teria nascido nesta virtualidade, ou, quem sabe, se fosse das últimas gerações escreveria incríveis histórias em menos de trezentos caracteres – sobre as experiências de vida com suas amizades virtuais, esqueçam as guerras e viagens e boemia. Quem sabe se assim seria o Hemingway do século XXI? 

Morrer virtualmente é glorioso, pois o tanto que há de cadáveres não enterrados nas redes é incalculável. É tanta, mas tanta, gente querendo público, querendo seguidores, likes, cliques e tal que é virtualmente impossível atender à demanda (estou muito irônica hoje).

Eu não ouço podcasts. Não vejo necessidade alguma de ouvi-los e, se o fizesse, seria com total desatenção. Não publico interações da minha vida pessoal porque, enfim, eu sei o significado do termo pessoal (e, poxa, depois da Arendt alguém ainda tem dúvidas sobre esfera pública e privada?). Nunca entendi a tara das pessoas por saber da vida de pessoas famosas, imagine querer saber da vida de gente comum? (é que esses comuns querem ser famosos porque ser famoso significa… dinheiro? auto aceitação?) Hemingway era famoso. Já faz tempo que fomos vaticinados com os quinze minutos de fama, né? Lembrei daquelas crianças que eram meus alunos e que sonhavam em ser youtubers. É preciso adaptar-se, é claro. (ainda bem que ironia é de graça, senão hoje a conta seria alta)

Ou não. Ou você tem personalidade o suficiente para ter a vida que quiser, de acordo com os seus gostos e práticas, com a coragem necessária para que seus atos sejam coerentes com seu discurso. O hype é só hype e daqui duas horas já terá deixado de sê-lo. Até a Moda já entendeu isso e alterou suas práticas e padrões. Hemingway escrevia com papel e caneta e na máquina de escrever, Carrie escrevia no computador, nada de fato mudou, a palavra mantém sua força e a tecnologia também passa, talvez tão rápido quanto qualquer hype. O ser humano é que não se adapta ao que deveria e vive a superficialidade das relações mediadas, da covardia, da falta de personalidade e, desconfio, da falta de talento. Para produzir algo relevante e de qualidade é necessário ter conhecimento, aprofundar estudos, ter talento, espírito criativo – não cai do céu nem nascemos com, precisa dedicação, esforço, trabalho, empenho e muito mais. Nem todo mundo os tem – e querer “produzir conteúdo” sem ter nada ou quase nada disso e sem ter, de fato, algo a dizer é ser mais um cadáver não enterrado na esfera pública digital. Daí o que vemos é o hype camuflando a incompetência, o fracasso travestido de números, a imitação e a cópia (mortais e que merecem uma reflexão só sobre elas). 

Assim que fica viúva, Carrie volta a escrever um livro, já no segundo capítulo. É a resposta que nós, público da televisão dos anos 1990, precisávamos. A liquidez tem em si seu próprio inimigo: ela mesma passa. Nós permanecemos. O tempo sempre teve todas as respostas, Hemingway que o diga.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: