Artimanhas

Há sempre um dia no qual você encontra-se sozinho, mas sem o desejo de solidão. Para driblar essa inexatidão de sentimento e realidade você tem algumas opções:

  1. Sair de casa, ir a shopping, andar pelas ruas. Talvez entre a multidão você se sinta menos só.
  2. Tomar um banho bem quente. O calor da água pode “simular” um calor humano que você não encontra nem no seu próprio corpo.
  3. Pode ouvir música e deixar a TV ligada (menos eficaz) para que o barulho te faça lembrar que há “outros” nesse mundo.
  4. Ou ainda, você pode conectar o Google Maps no celular e ficar se localizando para que o mundo pareça menos solitário.

Talvez tenha quem entre no MSN, telefone para a mãe, vá para o bar com os amigos. Ou quem tome um tarja preta. Ou quem prefira um livro (a atividade mais solitária que há, por isso não recomendo, ela só irá enfatizar a realidade da solidão e desesperar o sentimento de companhia).

Hoje me sinto assim e pratiquei as quatro opções acima. Além disso, deixei só a luz do abajur acesa… a fraca intensidade da luz não me deixa perceber que a casa está vazia.

Apesar de sair de casa como na opção “a”, não queria encontrar ninguém, me desviei dos conhecidos. E lembrei da frase da Érica no http://desenhocego.blogspot.com/: “Não quero me esconder, mas prefiro não me mostrar.”

Embalada pela música me arrisquei à distância da poesia: vontade de ir à pé de Fpolis a Salvador e tomar banho gelado no inverno do Inferno.

 

Isso que nem deu um dia do mal criado Outono.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: