Não consegui pensar em nada além de corredores de supermercados

Tenho essa fascinação em, de vez em quando, criar a expectativa de encontrar o amor da minha vida pelos corredores de um supermercado. Antes de ontem me senti assim.

Essas minhas fascinações, as paixões e tantos ões podem me fazer parecer uma pessoa incompreensível. Não só incompreensível porque fica feliz feito criança pequena ao encontrar milho cozido a R$1,50 no centro e poder vir caminhando para o apartamento, de chinelo, me sentindo um pouco em casa depois de mais uma semana sem explicações. As pessoas me olhavam (reparei que por aqui não usam chinelo) como se houvesse algo… de errado? Pois eu creio que há tudo de muito certo.

 

Minha vida é uma inexatidão que constrói caminhos tortuosos, vertiginosos, confusos.

 

E hoje tive mais um ponto culminante dessa inexatidão tão perfeita que eu amo. Eu não conseguiria descrever (ah, Merleau-Ponty!), eu não saberia transliterá-lo, de nada adiantaria citar fatos e frases em sequências. Eu sei porque eu acredito, e isso sempre me bastou.

 

Talvez eu quisesse alguém para ouvir meus sonhos, meus delírios (que não passam nem perto de Becky Bloom), alguém que não apenas me ouvisse, mas lesse meu olhar, meus gestos incontidos, minha euforia, ao falar sem nexo nem sentido sobre todas as impressões (ões, ões…) que me fazem acreditar e pensar como penso. Talvez a ventania absurda que ouço aqui do sétimo andar me tenha chamado para ir lá para fora, sentar num meio-fio qualquer e ter conversas intermináveis com gosto de paixão pura, sem pensar na hora, sem se preocupar com assaltos, enrolada numa jaqueta (ou seria japona?) tiritando de frio… Talvez. Mas não há ninguém para ir lá comigo, nem para me ouvir. Não lamento nem sofro por isso. Alguém que só me ouvisse como uma coisa a mais, ou alguém que acha que me ouvir faz parte do preço para ter sexo, ou alguém que do trabalho só saberia em pouco tempo falar em cansaço, esses alguéns não me interessam. Não quero mais muita coisa e sei bem o que me espera. Tenha dessas, de saber o futuro.

 

Por falar em sétimo andar, confirmei que não posso viver em apartamento (nunca gostei!). A louca pode cair da janela ao tentar fotografar a lua linda, como fiz ontem e antes de ontem, lá entre outros prédios porque é Primavera e no Inverno ela fica numa posição mais fácil e menos perigosa de fotografar.

 

Talvez eu fique aqui, podendo alongar minha madrugada depois de semanas tendo que acordar com horário, pensando que não estou lá fora aproveitando a ventania (mais uma paixão), a noite, o frio, uma conversa desregrada… Talvez eu aproveite mais umas horas de solidão como as que tanto me fizeram falta na última semana. Talvez eu escreva, já antevendo aquilo tudo que prometi.

 

2013 começou. Começou terno, descortinando os louros de longas batalhas. Já me apresentou as certezas que sempre tive porque, na verdade, nunca deixei de acreditar.

 

Sobre 2012 posso dizer que havia aí umas dezenas de coisas para completar na lista de ineditismo, porém, sinto que a maioria delas é impublicável. Umas por censura como a dos filmes adultos mesmo, outras porque, enfim, amo meus leitores, mas devo me preservar em algumas coisas.

 

Em 2013 vou completar a lista, além de ineditismo, completarei aquela lista das coisas que sempre busquei, que construí, e agora é a hora de investir no acabamento para poder me mudar de vez. É aquela mudança de alma que vai se completar.

 

Nem antes de ontem nem hoje encontrei o amor da minha vida pelos corredores dos supermercados. Por outro lado, tenho o prazer indescritível de reencontrar as minhas paixões todos os dias. Esse amor virá. Mas amores vêm e vão… as minhas paixões, o que eu sou permanecem.

 

Escrevo para dizer que não há como escrever o que foi esta semana, de onde ela, ao longo dos anos, se formou, de onde surgiram tantas pontas, detalhes, frestas que formaram o ponto culminante de hoje e de muita coisa que virá. Mesmo se eu tivesse alguém com quem ir ver a ventania, teria escrito. Porque já contei e recontei para as pessoas que me cercam e ainda assim preciso ficar tagarelando. A euforia me permite. Não verbalizar até aquilo que não é possível dizer é para os poderosos da síntese. Eu dispenso.

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: