As tais cartas de amor

Sublinho as palavras mais difíceis

abandono as que desconheço

tua letra é pequena

tuas frases curtas são mesquinhas

falta sentimento na página

tão bem escrita

cheia de parábolas e metáforas

vazia de paixão por mim

Há esse amor que transborda

por si mesmo em cada linha

na tarefa intrincada

de traçar textos perfeitos

sem erros e sem afetações

suspeito um desejo

de abalar corações

se esmerando

no senso comum desfeito

nas paráfrases pomposas

e no culto ao inteligível

Esperei esta carta

sonhei uma declaração

senti a pele arder

as noites emudecerem o calor

quase perdi os sentidos como se fosse uma dama

ansiei lê-lo à mão trêmula

olhos embaçados e garganta fustigada

Recebi e li

um tratado, algo assim

um artigo, talvez

devo estudá-lo?

ou vais publicá-lo?

Que amor amado não se publica

atiro as folhas insípidas ao fogo

que cartas de verdadeiro amor

se escondem nas gavetas.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: