Os braços

O peso do mármore

e os dedos esfolados

denunciam o perfil

atarracado e de mãos

grosseiras

 

À distância se vê

o escultor

 

A leveza dos tubos

a maciez das tintas

o leve não-tocar

do pincel sobre a tela

e a figura esquálida

porosa e frágil

 

Eis aqui

o pintor

 

O nervosismo do set

as neuras das atrizes

e a chuva no dia

de uma importante externa

percebe-se na velhice

precoce e na barriga

saliente

 

O sempre presente

Diretor de cinema

 

Às vezes trilha linhas

a machadadas e foice

esculpi palavras duras

e pinta doces expressões

entra em combate

ao cunhar sentimentos

usa armas nocivas

para atacar o âmago

do leitor

esfarela distâncias

ao atar declarações

ao vento ou ao vôo

das andorinhas

por isso o bíceps

arredondado

as mãos finas de

dedos longos e quentes

o antebraço firme

e o deltoide irresistível

 

Assim é

o (meu) escritor.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: