Pra você que só reclama: há dor e delícia

 

Não é novidade alguma para ninguém que gosto muito de Florianópolis.

Vim pra cá praticamente sem conhecer a cidade, com uma mala com roupas e uma caixa com livros. Dezoito anos na cara, matriculada em duas graduações e sozinha. Não me faltou coragem, não me assustaram nem a solidão nem as responsabilidades e decisões. O pouco que eu conhecia da Ilha tinham deixado uma impressão forte de quando menina: a beleza natural. E, bem, já um pouco mais velha, eu pensava que se num lugar tão lindo (isso só do pouco que eu conhecia) ainda havia a oportunidade daquilo tudo que na época eu sonhava e traçava meu destino, melhor ainda.

Também não é novidade alguma que eu gosto muito de praia, talvez pelo costume de frequentá-la desde antes de fazer um ano, talvez pela alma que se encontra à beira-mar. Gosto da natureza, de cachoeiras, de morros altos com vistas lindas, do meio do mato, de árvores e flores. Isso sempre foi assim, me sentia criada no meio do mato quando abria a janela do quarto e via a goiabeira e um pé de fruta do conde, lá embaixo as galinhas e patos livres pelo quintal. Vivi sempre num mundinho a parte, com meus brinquedos e as histórias e personagens que eu criava. O elo com a realidade era a mãe, sempre por ali, e que tem papel definitivo em quase tudo o que sou, e em muita coisa que gosto, como esse apreço pela natureza.

Bicho do mato como me sinto, não nego ter nascido onde nasci e sempre gostei de cidade com opções. Naquela época eu olhava para a Ilha e via isso, um deleite natural com cara de cidade grande. E aí, me senti em “casa”. Eu sei, não sou só uma e não vivo em um só lugar. Por isso vivo para lá e para cá, com aqueles meses sagrados no meu reduto (que de cidade grande não tem nada).

Eis que estava na Ilha sem ter sido ela nunca um objetivo em si, sonhada ou idealizada. Mas ali estava e ali eu vivia. Viver, no sentido mais doce e amplo. Soube aproveitar tudo o que ela me oferecia. Quantas vezes, ao chegar no CFH e ter uma notícia de falta de professor não olhei para as amigas e disse: vamos pra praia? Quantas vezes num dia de folga de aula ou faltando aula não subi um morro desses aqui em volta? Quantas vezes não fui ensandecida a um bazar de shopping fazer compras como se não houvesse amanhã? Foi tudo e foi muito.

Não sou daqui e nem me sinto de lugar nenhum. Posso, amanhã, ir para qualquer lugar. Ainda não fui porque me sinto contrariada em sair de onde gosto tanto e de estar nas proximidades de quem é importante pra mim. Afinal, a BR 101 é aqui ao lado. Sei que é bom ampliar horizontes e blábláblá. Nunca me neguei a isso. Nem me nego. Mas ao chegar aqui tão sem planos concretos, hoje vejo traçados para o futuro coisas das quais não posso fugir pelo traçado que já vivi até agora. E assim se faz.

Tudo isso convive conscientemente comigo. Nas últimas semanas, certos eventos fizeram tudo ficar à flor da pele. Já conheci algumas características da Ilha e de quem vive aqui. Já escrevi sobre isso inúmeras vezes. Sei que é impossível impedir o crescimento, mas acredito possível impedir muitas das suas nefastas consequências. Sei que sempre pareço saudosista. Não acho, porém, que seja o caso.

Há uma canção da Shakira que diz que para falar de dois é melhor começar por si mesmo. E acredito que para poder falar sobre qualquer coisa, preciso dizer de onde estou falando (coisas que a academia fazem você perceber ainda mais) e por isso começo sempre por dizer quem escreve aqui, de onde, por quais olhos.

Meu discurso representa aquilo que eu estou o tempo todo formando como “eu”. Não nego isso e prefiro deixar bem claro.

Fazia algum tempo que não explorava uma determinada região do Campeche. Sabia que numa rua havia acesso para uma trilha, como há tantas pela Ilha. Resolvi, naquele dia, ir até lá. Quanto tempo havia passado? Uns três anos, provavelmente. Mas sou frequentadora da região e fui direto por onde eu achava (resquícios da memória, obviamente) que era a entrada para a tal trilha. Eis que logo na estrada de uma rua comecei a reparar nas mudanças. Mudanças drásticas. Há, agora, pelo menos mais cinco novas “servidões” (nada mais característico da urbanidade da Ilha) ali atrás da tal rua que eu conhecia. O mix indescrítivel que é a população e os tipos de moradia da Ilha (um dia aquele documentário sai do papel) tinham ali um belo exemplo – certo, não tão belo assim. Ao mesmo tempo que sempre me fascinei por essa multi-qualquer-coisa que são os moradores da Ilha e suas habitações, sempre fiquei horrorizada. Ali naquelas servidões há um novo condomínio fechado com casas de alto padrão com suas piscinas, sem muros nem cercas, as casas de metragem razoável com carro simples na garagem e terreno padrão, as velhas casinhas que parecem existir desde que a Ilha é Ilha, um puxadinhos pra lá e pra cá que pelo número de portas diz que o aluguel ali come solto, aquela casinha de madeira caindo aos pedaços com um sedã caríssimo na garagem, as inúmeras e intermináveis casas em construção… Um churrasco pra cá, um cachorro pra lá, um fogão a lenha ali, um som alto de carro acolá. Diante de mim estava o melhor exemplo do que é a Ilha. Há bairros com características predominantes, mas essa mistureba é a cara da Ilha. Como toda cidade, tem seus bairros “ricos” e os “pobres”, mas estes convivem numa babel econômica bastante peculiar por aqui.

Como viajante da Ilha, já encontrei um tipo bem específico que é aquela pessoa que constrói sua casa ao lado do paraíso (uma praia, um morro, o início de uma trilha) e desrespeitosamente coloca cachorros, cercas ou qualquer outra coisa para impedir o acesso dos outros ao que é de todos. Esse tipinho é o que mais me irrita. E neste dia me irritou muito, quase desisti de tudo e resolvi voltar para casa. Porém, caso eu tivesse feito isso, teria voltado com uma péssima sensação e seria mais uma a olhar a Ilha pelo ângulo tão desfavorável ao qual é tão fácil recorrer nessas horas por quem mora aqui.

Entrei em uma servidão, perguntei na penúltima casa, a mulher disse que achava que era ali o acesso à trilha, senão seria na rua detrás. Na última casa desta rua, uma casa que a melhor descrição que me ocorre é “improvisada”, dois cachorros enormes dominavam a área que pensavam ser deles, o cara lá na casa fez de conta que não me viu e eu voltei. Voltei bufando. O cara não tem o direito de jogar sua casa onde bem entender, fazer que aquilo é dele e ignorar quem deseja ter acesso ao que não é dele. Fui até a rua de trás, subi um morro, tentei achar a trilha e nada. Um morador da última casa desta rua me observava. Nessas horas os moradores daqui não são tão queridos. Voltei, vi uma mulher na casa desse observador e perguntei sobre a tal trilha. “Ah, não é nessa rua. Pega a principal e entra na próxima.” Pois bem, ou ela queria me dispensar de vez (o que acontece muito nesses casos) ou a minha memória realmente tinha dado uns pulinhos. Eu lembrava de toda aquela entrada da rua principal, exceto pelas novas servidões. Voltei, segui, entrei na outra e, sim, era lá. Eu havia errado (e minha memória me alertou que da outra vez eu também tinha errado) a entrada. Subi, subi, subi, lavei e sequei a alma, lamentei o mato alegre com o calor que fez no nosso inverno e que me tirava uma parte da vista, tive aquele momento que só eu sei o que é e voltei.

 

Nos últimos meses tenho acompanhado a campanha política para prefeito. Não só de Florianópolis, mas de Joinville e de outras cidades. Um dia, em casa na Ilha, ouço a propaganda do Cesar Souza Jr falando sobre as liberações em excesso para construção de imóveis na Ilha. Esse é um lema da campanha dele desde o começo. Achei um risco grande tocar nisso, mas ao mesmo tempo um trunfo. Este é um grande problema da Ilha, é verdade. Mas a nata da cidade administra a construção civil (Político posicionar-se contra a elite? Nem Lula fez isso… o perigo é grande demais e não garante votos.) e o povo quer morar em Florianópolis, é imagem, é demonstrar poder, posição, sei lá o quê. Aí quem se posiciona contra a ocupação desenfreada é tachado de saudosista, atrasado, mané. Fiquei pensando se o Cesar faria uma placa com a famigerada frase “fora haole” e colocaria nas pontes. Porque é disso que acusam quando se tenta abordar o problema. As pessoas, no geral, não percebem que construir um prédio como aqueles ao lado do Paula Ramos, na Trindade, é um atentado ao que já está tão ruim. O cara reclama do trânsito parado, mas só usa o seu carro (e como 90% das pessoas nessa cidade, anda sozinho no seu carro). A pessoa olha para um prédio e não entende que cada apartamento daquele vai ter entre duas a quatro pessoas, que essas pessoas vão andar nas ruas, vão ter carros (a maioria dos prédios por ali tem pelo menos duas vagas na garagem), vão precisar de serviços na região, etc.. O problema por aqui é realmente grave. Porém, se você critica as cidades do entorno que são “dormitório” e não absorvem a mão-de-obra dos seus habitantes, levando à exaustão as pontes e a região central (aquela pessoa que mora em Palhoça e vem todo dia trabalhar num shopping qualquer) você é preconceituosa e sabe-se lá mais o quê.

 

Fiquei curiosa pela declaração do Cesar Jr., mas achei ainda mais curioso quando ele, num programa na TV, disse que a cidade não aguentava mais elevados. Segundo ele, a gestão anterior havia construído elevados pela cidade e não havia resolvido o problema do trânsito, havia, inclusive, piorado a situação. Cesar Jr. é candidato pelo PSD, mesmo partido de Kennedy Nunes, candidato de Joinville. E aí eu lembrei da questão do “horizonte” que citei ali acima.

 

Kennedy Nunes tem por principal promessa de campanha a construção de seis elevados e um túnel em Joinville. Como toda cidade brasileira de médio e grande porte, Joinville hoje também só sabe reclamar do trânsito. (Parênteses necessário: o “trânsito”, ou “mobilidade” que acham mais bonito chamar, é um problema nacional. É sabido o incentivo para a compra de automóveis, a isenção de impostos, o crédito fácil e o consequente endividamento da população para que, num ideal golpe de mestre, o governo não entre na crise mundial e possa dizer aos quatro ventos que aqui, agora, a população não é mais pobre e compra, compra, compra, tem acesso a tudo e mais um pouco. Um golpe de mestre, sim, senhores presidentes, que joga para o indivíduo, com a querida intervenção federal, mais problemas – endividamento, trânsito, poluição, doenças – e nenhuma crítica.) Eis que pensei, então, que Florianópolis, anos atrás com a maior frota proporcional do país quis solucionar o tal “problema do trânsito” e construiu suas dúzias de elevados. Em pouco tempo, agora aquela solução politiqueira e de aparências tornou-se um problema maior ainda porque em nenhum momento tocaram na raíz do problema – e ganharam a colaboração de grego do governo federal. Joinville, com o candidato do mesmo partido de Cesar Jr, deveria ter este alerta da experiência. Florianópolis, que é mais desenvolvida que Joinville (alguns joinvilenses me odeiam por declarações assim), enfrenta problemas por ter sido ludibriada com as soluções de fachada, e Joinville segue o mesmo caminho. Não cobro a previsão, mas daqui poucos anos estaremos ouvindo em Joinville a mesma ladainha do “novo”, da “mudança” que a cidade precisa com este ou aquele candidato que vai finalmente resolver o problema do trânsito em Joinville, coisa que o prefeito anterior não conseguiu e só gastou dinheiro em obras faraônicas.

 

Tenho profundo desprezo pelos que “passam” pela Ilha. Aqueles que vêm morar aqui porque foi onde encontraram as oportunidades que não tiveram nas suas terras e só sabem explorar (no pior sentido) e criticar muito a cidade. Essa babaquice de “Beverly Hills catarinense” só demonstra isso. Por que a chacota? Todas as cidades têm todo tipo de gente, não é só aqui que encontraremos idiotas que fazem declarações idiotas. Não é só aqui que há pessoas com muito dinheiro e pouca coisa na cabeça. E sabe o que as páginas do Facebook de Diário de Classe, Beverly Hills catarinense e afins demonstra? Uma outra característica forte do povo de Florianópolis: a vocação por seguir modismos rasos. Sai qualquer bobagem, lá estão todos achando lindo. Quem se ancora aqui e fica só dizendo o quão desprezível a cidade é, a mentalidade das pessoas, merece, sim, um “fora haole”. Volta pra onde veio e vê se lá vão te dar a vaga na universidade que você queria, o emprego que você precisa. Difícil?

Não dou crédito ao discurso “ah, mas acha que é fácil largar tudo”. Não é fácil. Eu não gostava de morar em Joinville, não via minha vida lá, e só eu sei o que passei para resolver isso. Vire-se, eu diria. Agora, quem vem com o discurso, ao morar poucos meses em Florianópolis, de que aqui não é paraíso nenhum, que a cidade é elitizada, excludente, que tudo aqui é ruim, que é só propaganda a tal “ilha da magia”, precisa sair da Trindade, abrir os olhos de verdade, pegar umas dúzias de ônibus, estudar algumas coisas e pensar antes de falar. Acho bem simples. Se, mesmo assim, continuar na rabungentice, saiba que as pontes ainda estão abertas, pra quem chega e pra quem sai.

 

Quem gosta de verdade de alguém ou alguma coisa aprende a ver seus defeitos. E, melhor ainda, se preocupa com eles, tenta fazer alguma coisa. Seja aqui, em Joinville ou onde for. Uma amiga ainda me disse “Bom saber que o Campeche ainda resiste.”, infelizmente não sei se posso dizer que o Campeche, ou a Ilha, estejam resistindo. Não sei dizer se Joinville com suas tão mais frequentes enchentes (com exceção de umas três citações durante a campanha, foi o tema mais grave e mais esquecido) está resistindo, seja ao avanço ou aos péssimos políticos. Ou, ainda, à própria ignorância de suas populações.

 

Sei que Florianópolis não é nenhuma perfeição. Nunca chamei-a de “ilha da magia” ou “floripa” porque discordo do que vem embutido nisso. Me preocupo muito com os problemas que me parecem os mais graves da cidade. Mas sei olhar aquilo que é bom, sei aproveitá-la e não deixo de criticar. Eu poderia ter voltado pra casa quando tropecei nos malditos moradores com seus cachorros. (E, só para constar, há um caminho dali até onde eu queria sem precisar ir para a outra rua, pude constatar isso lá numa das curvas do morro, onde começa a trilha que vai para a casa das servidões, mas os moradores devem achar que é acesso “particular”.) Mas, não, eu insisti e fui lá ver, ouvir e sentir o que eu precisava, com vistas maravilhosas, silêncio, paz e alma lavada. Eu poderia ter ficado com medo e não ter pegado aquela mala e aquela caixa com livros para vir pra cá. Reclamar e desistir são cânceres da alma, meus queridos.

 

 

Anúncios

2 comentários em “Pra você que só reclama: há dor e delícia

Adicione o seu

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: